Páginas

quarta-feira, 26 de junho de 2013

A cama da família real

Há uns tempos atrás, enquanto me preparava para o trabalho de manhã, costumava ouvir rádio. Gostava dos programas da manhã e sempre me ria um bocado.

Entretanto, descobri que a televisão também tem uns programas bons de comédia, acho que lhes chamam telejornais.

É um tipo de comédia muito especial, eu chamar-lhe-ia «comédia do imprevisto», porque, o que eles fazem é: passam uma reportagem sobre, por exemplo, o ex-consultor da CIA que anda a ser perseguido por ter vindo confirmar os maiores medos dos fãs das teorias da conspiração e que, inteligentemente, terá ido abrigar-se na Rússia (eu também o faria, não acho que alguém tenha coragem de se meter com o Putin, até porque 90 % dos filmes do Schwarzeneger se inspiraram nele. Sei de fonte segura.), e passado um bocado, pimba!, espetam com uma reportagem sobre a cama de 130 mil euros da família real com molas feitas à mão e enchimento de cabelo de cavalo.

Talvez eu esteja a ser um bocado injusta, porque, na verdade, imagine-se: vejo o telejornal, saio de casa e assim já saio com um desbloqueador de conversa preparado. Assim que alguém me mandar com a conversa do tempo, eu atiro-lhe (não literalmente, pois parece que a dita cuja é pesada) com a cama da família real, agarrando assim a oportunidade para brilhar.

De qualquer modo, molas feitas à mão e enchimento de cabelo de cavalo não é seja assim tão espectacular. Espectacular seria se as molas fossem feitas à mão por um cavalo cabeludo. Aí sim, sai da frente família real que essa cama é minha, nem que tenha que comer flocos de aveia até ao fim dos meus dias.