Páginas

segunda-feira, 24 de junho de 2013

A máquina de café e as redes sociais

Antes de tudo, tenho que deixar uma coisa bem clara: apesar de ser uma rapariga jovem (acabadinha de entrar nos trintas e, segundo se diz por aí, os trinta são os novos vinte), quando eu nasci, nem toda a gente tinha televisão a cores.

Tenho que admitir que tenho um smartphone, tenho uma televisão LED com uma entrada USB onde vejo filmes em  MPEG-4 e ouço músicas em MP3, e consigo construir uma frase com sentido usando muitas siglas de seguida.

Ninguém me vai apanhar a falar mal da quantidade de tecnologia que nos rodeia, embora eu goste de ser selectiva naquela que uso e como a uso.

A única coisa que eu acho que nunca devia ter sido inventada é a máquina de café expresso doméstica e vou já de seguida explicar porquê.

Para mim, tal como o vídeo matou as estrelas da rádio, a máquina de café doméstica matou as verdadeiras redes sociais.

Não me levem a mal, eu tenho conta no Facebook, no LinkedIn, e no Google+, mas isto são só emuladores das então existentes redes, que, apesar de em risco de extinção, ainda podem ser encontradas nas planícies abrasadoras do Alentejo, por exemplo.  Se não acreditam em mim, podem ir lá ver, mas não façam barulho para não perturbarem o ambiente.

Na verdade, como a maioria dos portugueses, também tenho uma máquina de café em casa que, exceptuando o cafeinómano com quem vivo, praticamente não é usada. E porquê? Fica mais barato, a qualidade do café é muito semelhante ao da rua e até tenho umas chávenas da Delta obtidas de modo menos lícito que completam a experiência.

Não uso porque também eu sou viciada, mas nas verdadeiras redes sociais. Aliás, arrisco-me a dizer que eu é que devia processar o Mark Zuckerberg, porque tenho a certeza que ele tirou a ideia do Facebook do café onde eu vou.

Senão vejamos:

- Chego ao café do costume, digo bom dia ao Sr. X (por acaso até lhe sei o nome, mas não vou dizer) - Login

- Ele pergunta-me como estou. - What's on your mind?

- Eu respondo  - Post 

- Pergunto se a minha companhia do costume já lá esteve, e ele, não só me responde, como me diz o que lhe passava pela cabeça naquele momento. - Recent Activity

- Diz também que Y perguntou por mim. - Check Inbox

- Sento-me, bebo o café que não precisei de pedir, vou observando as conversas em volta... - Live feed

- ...intervindo se justificável. - Like/comment

- Acabo o café, digo bom dia e saio - Logout.