Páginas

terça-feira, 9 de julho de 2013

Expressão idiomática do dia: meter os pés pelas mãos

Uma expressão idiomática é uma expressão que não tem significado literal, isto é, o seu significado não pode ser obtido através da soma dos significados das partes que a compõem.
Imaginemos que eu mando alguém ir «pentear macacos». Toda a gente sabe o que é «pentear», toda a gente sabe o que é «macacos», mas ninguém vai achar que eu estou a pedir ao meu interlocutor que passe um pente na melena de um primata. Se bem que isso deve ser uma coisa muito fofa de se fazer.

Qualquer bom falante do português vai perceber que eu lhe estou a dizer para ir fazer qualquer  outra coisa que não seja incomodar-me e, efetivamente, é isso que eu pretendo.

No entanto, há expressões idiomáticas cujo significado literal é uma metáfora tão boa para o seu significado idiomático, que os dois significados quase se fundem, com grande potencial para o humor.

Para mim, «meter os pés pelas mãos» é uma dessas expressões. Por exemplo, se eu disser que os nossos governantes meteram os pés pelas mãos no caso do Edward Snowden/Evo Morales, não consigo evitar vê-los a, literalmente, passarem os pés pelo meio das mãos enquanto se enrolam numa bolinha que desliza para um canto na esperança que ninguém a veja.

Dito isto, acho que as expressões idiomáticas estão subvalorizadas. São tão boas para dizer tudo em poucas palavras. E passo a exemplificar:

Um «meteu a boca no trombone» e teve que «fugir a sete pés».
Quem «atirou a primeira pedra», «sacudiu a água do capote».
Quem quis «fazer bonito», «meteu a pata na poça».
Quem foi afetado por isto «foi aos arames» e agora quem deu um «passo em falso» vai ter que «dar o corpo ao manifesto».

É o que acontece a quem «mete o nariz onde não é chamado».